O cenário atual do mercado é de internacionalização da economia, livres barreiras de comércio, cobrança constante por resultados e performance de excelência. Se isso parece uma situação altamente competitiva, é porque realmente é.

Nesse contexto, uma empresa que deseja se manter ativa precisa apostar nas estratégias e nas ferramentas de gerenciamento corretas. Uma delas é a análise de viabilidade financeira, que permite calcular com mais precisão a rentabilidade de um negócio.

Se você não sabe como fazer essa análise, não se preocupe: no post de hoje vamos te explicar qual é a importância da viabilidade financeira para o seu negócio e como avaliá-la. Acompanhe!

Por que a viabilidade financeira é importante?

Utilizar uma ferramenta de viabilidade financeira permite avaliar a rentabilidade real do seu negócio, além do mercado de atuação e das possibilidades de expansão. Essa análise também contribui bastante para a gestão de custos, um dos principais requisitos para a manutenção sustentável de uma empresa.

Um dos maiores benefícios desse tipo de avaliação é visualizar, de forma prática — por meio de projeções, relatórios e números —, qual é o real potencial de retorno desse investimento. A partir disso, é possível decidir se o projeto merece ou não ser levado a adiante.

Além disso, esse estudo é fundamental para estabelecer alguns parâmetros essenciais para a sustentabilidade do negócio. Por exemplo, os dados obtidos com essa análise permitem definir o preço competitivo do serviço ou produto oferecido pela empresa.

Assim, um estudo mais profundo de viabilidade econômica e financeira deve ser feito toda vez que um novo projeto entra em fase de análise, seja pela reestruturação do negócio ou pela abertura de uma nova empresa.

Como fazer um estudo de viabilidade financeira?

1. Levantamento de dados

O estudo de viabilidade financeira consiste basicamente na elaboração de uma planilha. Para isso, é importante fazer um bom estudo de mercado para ter acesso a informações como quais são as oportunidades, quem são os concorrentes, qual mão de obra será necessária, dentre outras. Ainda é essencial levantar alguns dados fundamentais como:

Projeção de receitas

O prazo varia de projeto para projeto, mas, para negócios pequenos, uma projeção das receitas para os próximos 3 a 5 anos é suficiente. É importante também estimar a taxa de crescimento do negócio no longo prazo.

Projeção de custos

Qualquer que seja o período escolhido para a projeção de receitas, é preciso aplicá-lo também em uma projeção de custos. Nessa análise, inclua os custos operacionais para que ele funcione normalmente, tanto fixos quanto variáveis, e os impostos. Seja o mais realista possível para que seu estudo de viabilidade financeira seja realmente útil.

2. Preenchimento da planilha

Todos os dados coletados precisam ser dispostos em uma planilha, que deve ser consultada sempre que necessário. Será tipo um diário de bordo da empresa. Além disso, o empreendedor pode usar outras planilhas para alinhar os números da empresa, como uma de fluxo de caixa.

3. Análise dos indicadores

Depois de levantar esses dados, é preciso analisar os principais indicadores. Nessa análise, podem ser incluídos o Valor Presente Líquido (VPL), a Taxa Interna de Retorno (TIR) e o Payback (retorno de capital).

Para finalizar, um estudo de viabilidade financeira tem que ser bem conduzido e adaptado às necessidades dos clientes. Por isso, é interessante contar com a ajuda de profissionais nessa etapa. Uma consultoria deixa um legado na corporação, um mindset com soluções inovadoras, um ativo fixo que perdura até mesmo com o fim do contrato. Assim, é uma boa opção para ajudar o seu negócio a começar de maneira sólida.

Esperamos que esse conteúdo tenha sido útil para você e para sua empresa. Se ainda tiver alguma dúvida, deixe seus comentários!