Empreender: A chave para o sucesso

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

A economia mundial nas últimas décadas vem passando por transformações em alta velocidade: globalização, fusão de mercados, online/internet, mídias sociais, são exemplos da presença do empreendedor eficaz. Este, que apresenta habilidades e competências para criar, abrir e gerir um negócio, alcança resultados positivos, num ambiente desafiador e de grande concorrência.

Empreender é fundamental para a geração e movimentação de riquezas dentro de um país, estimulando o crescimento econômico e melhorando as condições de vida da população. É também um fator indispensável na geração de empregos e renda.

Para se destacar no mercado, o empreendedor deve alinhar entre teoria e prática, características marcantes como visão de futuro e audácia para assumir riscos; empenho em buscar novas informações, soluções e inovações para o seu negócio; persistência; aptidão de liderança; disposição para trabalhar em equipe; capacidade de organização e planejamento; responsabilidade; facilidade de comunicação e expressão; criatividade; saber ouvir outras pessoas; e gosto pela área em que atua.

Abaixo, um case de sucesso que serve de inspiração para muitos que buscam sua ascensão diante do mercado:

“O Buscapé, site que compara preços de produtos em lojas de todo país, revolucionou o mercado e serviu de exemplo para que outros brasileiros se arriscassem no empreendedorismo, especialmente usando a internet.

Mas, para quem achou que o site nasceu por acaso, assim como a maioria das empresas de sucesso, se enganou. Quando quatro estudantes se uniram, eles já planejavam abrir um negócio. A escolha pelo mercado online se deu por um motivo simples: eles queriam inovar e a internet era a melhor opção para isso.

Depois de algumas pesquisas, o grupo percebeu que não existiam sites que exibiam listas de preços praticados por diversas lojas de um mesmo produto e resolveram criar um. Em junho de 1999, cada um dos envolvidos investiu dinheiro para a compra de três computadores pessoais e mais R$ 4.800 para iniciar o projeto. Eles se reuniam em uma pequena sala de um edifício corporativo e começaram a fazer parcerias com lojas que também estavam começando como o Magazine Luiza, por exemplo.

Rodrigo Borges, um dos fundadores, criou um software de compilação e comparação de dados e, após ser licenciado, o grupo correu atrás de preços dos mais diversos produtos e lojas.  “A ideia original era listar até lojas de ruas e shoppings, porque o e-commerce não existia quando nós começamos. Mas, essa ideia era muito romântica, porque era difícil o consumidor exercer o poder de compra naquela época. As lojas mal davam o preço do produto pelo telefone”, lembra Romero, outro dos fundadores, em um vídeo institucional da empresa.

A inauguração do site só aconteceu em 1999, depois que o “QuantoCusta” se tornou o “Buscapé”. O nome inicial da empresa já estava registrado e eles tiveram que trocar. A palavra Buscapé (nome regional para fogos de artifício, geralmente usada em festas juninas) estava em vigésimo lugar de uma lista extensa de opções e foi escolhido pela sonoridade. “No início o site tinha pouco mais de 25 mil usuários, enquanto hoje temos mais de 60 milhões de consumidores usando nossos serviços todos os meses. Ao mesmo tempo, quando colocamos o site no ar, eram 30 empresas cadastradas e hoje já temos mais de meio milhão de empresas listadas”, conta.

Em 2000, com a bolha da internet e o crescimento do comércio eletrônico no Brasil, os fundadores conseguiram atrair investidores como a E-Plataform, Merrill Lynch, Unibanco e Brasil Warrent (grupo Moreira Salles). Primeiro houve a injeção de US$ 500 mil e depois um segundo aporte de US$ 6 milhões. Com o caixa cheio, em 2002, a empresa se tornou rentável.

Romero, no entanto, ainda não estava satisfeito e, paralelamente à gestão do Buscapé, ele iniciou a expansão internacional do projeto. O grupo abriu escritório no México, Argentina, Chile e Colômbia. No final de 2005, mais novidades. Os grupos que contribuíram com a empresa venderam suas participações para o fundo norte-americano Great Partners Hill. A Great Partners, por sua vez, comprou o maior concorrente do site, o Bondfaro, e o restante do competidor foi fundido com o Buscapé, transformando a empresa resultante no maior site de pesquisa de preços da América Latina. 

Em setembro de 2010, o Buscapé deu mais um golpe certeiro. A companhia comprou o ZipMe, centralizador de ofertas de sites de compras coletivas e de clubes de compras do Brasil, e fundou o SaveMe. Com o negócio, o Buscapé se tornava um grupo de internet. “Começamos como um site comparador de preços e hoje já somos um Grupo de internet de 15 empresas. Conquistar a liderança em audiência é um troféu que começamos a buscar lá no início”.

Viu como empreender não é uma tarefa exclusiva de grandes empresários? Porém, com tantos recursos disponíveis atualmente, o mercado está aberto para todos. Sendo assim, inovar e investir em boas ideias é essencial para se destacar em seu ramo e ser um empreendedor diferenciado dos demais.

[wysija_form id=”1″]

Assinatura bruna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *